segunda-feira, 27 de abril de 2009

Meu Amor, Negra Flor


Meu Amor,
Estranha flor
meu ópio
do prazer
com o poder
de fazer sofrer
fazer amar
de me fazer
enamorar
Teu poder,
Negra flor
teus espinhos
cortantes
marcantes
d'almas feridas
tua dor viciante
faz as minhas delícias
malícias
as tuas aveludadas pétalas
fazem-me carícias
deixam marcas
para a vida
...

7 comentários:

SAM disse...

Bonito demais cada verso! E vamos lendo e sentindo cada palavra...Lindo poema!!! Amei.


Beijos com carinho.

Valdemir Reis disse...

“Amigo é coisa pra se guardar...” Como diz o poeta. Amigo aqui de volta ao seu belo espaço para agradecer de coração sua gentileza em nos honrar com a sua visita e valoroso comentário. Saiba que muito nos fortalece, sua presença é sempre agradável e especial. Obrigado mesmo.... Apareça sempre lá! Confesso que admiro bastante o seu trabalho, parabéns pelo tema publicado “Meu amor...”, ótimo poema, belo texto, precioso e interessante. "O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis". Fernando Pessoa. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Felicidades. Desejo uma semana repleta de realizações e de muito sucesso extensivo aos familiares, muita paz, saúde, brilhe sempre, bênçãos, proteção e alegria. Que a luz divina oriente e ilumine o nosso caminhar... Um abraço fraterno.
Valdemir Reis

Serenidade disse...

A rosa negra, desabrocha brilhante e cheia de cor, sempre que o passado se esquece e o amor brota como uma fonte constante de um sentimento puro, sem passado e tentando reconstruir o amanha sem o ontem.

Serenos sorrisos

Serenidade disse...

Porque não "Meu amor, rosa escarlate"?

Serenos sorrisos

Porcelain Doll disse...

É mais intenso o amor por aquilo que corta... porque aquilo que corta marca... a dor é viciante...

Muito bonito. :)

Bj

Eu sei que vou te amar disse...

Amar sem dor, nao é amar...nesta descoberta o amor se junta a todas as emocoes!
Um beijo doce

Carla disse...

a vida é feita de um conjunto de marcas..

dizer-te também do meu livro...In-finitos sentires que vão ser desenhados em papel. O lançamento é no próximo dia 27 de Junho, às 16 horas na Biblioteca de Valongo (Porto)...aparece se puderes
beijo