sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Vertigem


O sangue corre mais forte

como a vertigem das prosas perdidas no leito da noite

onde se sente o leve toque que nos faz arrepiar

num espantoso enlace com a beatitude

Ficamos horas a falar sob a noite serena

sentindo o toque da confiança na ponta dos dedos

do absoluto

do presente

das ideias que nos assaltam o cérebro

num faiscar de exaltação demente

6 comentários:

impulsos disse...

Como te compreendo...
E lá no fundo sabemos que é uma pura ilusão...
Tudo não passa do reflexo daquilo que queremos que seja, mas que na realidade não existe.
E as horas passam e nem damos conta...
Somos felizes e não queremos ser interrompidos daquele encantamento no mundo do faz de conta...

Adorei a imagem, espectacular!!

Serenidade disse...

E nessa exaltação, onde nem a beatitude, nem a sua ausência se sente ou presente, está o equilibrio dos pensamentos, que na sua ausência a perfeição da vida existe.

As horas passam e a ânsia de ter de ser aumenta cada vez mais e mais e mais.

Serenos sorrisos

SAM disse...

Imagem e texto maravilhosos! Adorei amigo!


Terno beijo

Serenidade disse...

Tens uma prendinha para ti lá no meu cantinho.

Serenos sorrisos

su disse...

O sangue corre à velocidade do nosso ser enquanto caminha nem que seja correndo do pasado ao futuro...vertigem final é quando pára...

Tatiana disse...

Uauu... forte e intenso...como o sangue que corre nas veias...

Um abraço carinhoso e o desejo de uma bela semana!